Notícias - Guilherme Pegoraro

ADM processa Syngenta por venda de milho não aprovado na China

Alegação da companhia é de prejuízos e danos substanciais

A norte-americana Archer Daniels Midland (ADM) está processando a Syngenta por perdas relacionadas a uma variedade transgênica de milho vendida pela companhia suíça antes de sua aprovação pelo governo chinês.

Devido à presença da variedade em questão, conhecida como Viptera, a China devolveu vários carregamentos de milho dos Estados Unidos no último ano. Isso causou "prejuízos e danos substanciais" à ADM, disse a companhia.

Em sua ação contra a Syngenta, a ADM não deu detalhes sobre os prejuízos resultantes da devolução dos carregamentos pela China ou sobre vendas perdidas. Uma porta-voz da companhia, no entanto, disse que os valores chegam a "dezenas de milhões de dólares em prejuízos e custos adicionais".

Segundo um porta-voz da Syngenta, a companhia suíça "acredita que a ação não tem mérito e defende o direito de produtores de ter acesso a novas tecnologias que foram aprovadas". Desde 2011, a Syngenta vende sementes Viptera para produtores dos Estados Unidos, Argentina e Brasil com a aprovação dos governos locais.

Em setembro, a Cargill entrou com uma ação contra a Syngenta, alegando perdas similares. Desde então, produtores norte-americanos de 11 Estados processaram a Syngenta, responsabilizando a companhia pela queda nas exportações dos EUA para a China e pelos preços mais baixos do grão.

Fonte: Estadão Conteúdo

03/12/2014